Em caminhada, Marconi e Coligação Goiás Avança Mais fazem campanha em Trindade

O percurso foi entre a Igreja Matriz nova, onde houve concentração de apoiadores, até a Igreja Matriz antiga

Por Redação 06/10/2018 - 11:29 hs
Foto: Divulgação Assessoria Raquel Teixeira

Na manhã deste sábado, 6, a Coligação Goiás Avança Mais realizou uma caminhada em Trindade em ato final de campanha visando as eleições deste domingo. O percurso foi entre a Igreja Matriz nova, onde houve concentração de apoiadores, até a Igreja Matriz antiga. Segundo estimativa, quase 4 mil pessoas estiveram presentes no evento. 

Veja uma cena da movimentação em Trindade!

Dentre políticos da Coligação Goiás Avança Mais, estavam: o governador e candidato a reeleição Zé Eliton (PSDB); candidata a vice-governadora Raquel Teixeira; candidatos ao Senado, Marconi Perillo e Lúcia Vânia; além de deputados e outras lideranças. Eles contaram com o apoio do prefeito de Trindade, Jânio Darrot, além da primeira-dama, Dairdes Darrot.

O ato que, inicialmente seria realizado na Anhanguera, Avenida principal da capital Goiânia, foi transferido para a cidade sagrada com objetivo de evitar tumulto no trânsito.

Pronunciamento de Zé Eliton

"Hoje me emocionei muito ao encerrar essa campanha em Trindade, vindo à Basílica do Divino Pai Eterno como forma de agradecimento por uma campanha que foi dura, foi difícil, mas que foi muito respeitosa e na qual conseguimos levar nossa mensagem. Espero que amanhã o povo goiano e o povo brasileiro possa escolher bem o seu destino", concluiu.

Entrevista em Anápolis

Neste fim de semana, em entrevista a uma rádio local de Anápolis, o candidato ao Senado, Marconi Perillo (PSDB), destacou pontos em seu discurso como: ''Não estou prometendo algo que seja impossível, sem nunca ter feito nada. Anápolis sabe o que fiz pela cidade nos últimos anos''; ''Sempre defendi e apoiei as igrejas evangélicas, assim como todas as denominações religiosas. O respeito e valorização às crenças cristãs também serão minha bandeira no Senado''; e ''nunca deixei de discutir com o polo empresarial de Anápolis estratégias para desenvolver o município e gerar emprego", disse.

Investigação

Segundo o MPF-GO, os indícios apontam que o ex-governador era o chefe do grupo formado pelo presidente licenciado da Agência Goiana de Obras (Agetop) Jayme Rincón; o policial militar e motorista de Jayme, Márcio Garcia de Moura; o filho do presidente licenciado da Agetop, Rodrigo Godoi Rincón; o advogado Pablo Rogério Oliveira, além do empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior, na investigação sobre repasses de R$ 13 milhões em propina da Odebrecht para financiar as campanhas do ex-governador e candidato ao Senado, Marconi Perillo (PSDB) ao Governo de Goiás, em 2010 e 2014.

Defesa

A defesa do ex-governador ressaltou que vê sentido eleitoreiro na deflagração da operação na reta final da campanha. E lembou que o ex-governador sempre esteve à disposição para prestar esclarecimentos sobre a delação conhecida há mais de um ano. E obteve junto à PF a liberação para prestar depoimento somente após as eleições.

O advogado de Perillo, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, publicou a seguinte nota:

 “A questão deve ser tratada e resolvida juridicamente na Justiça Eleitoral. O uso de fatos alegadamente ocorridos há 8 anos e 4 anos em plena campanha eleitoral revela o verdadeiro intuito da Operação, que provocou uma ilegal e indevida perseguição política ao governador que, como não poderia deixar de ser, está à disposição das autoridades e, como cidadão, é o maior interessado em esclarecer os fatos. A defesa alerta, há muito tempo, para os riscos de uma espetacularização do processo penal e da criminalização da política, que ataca e ofende pessoas de bem e comprometidas com o país. A democracia exige serenidade e responsabilidade. Ninguém está acima da lei, mas todo cidadão, político ou não, tem o direito de ver respeitada a Constituição da República, que garante a qualquer um o devido processo legal, a presunção de inocência, a ampla defesa e um julgamento justo”.